Família

Praia Grande abre inscrições para os programas Apadrinhamento Afetivo e Família Acolhedora

O objetivo das iniciativas é dar mais qualidade de vida para crianças acolhidas

Praia Grande abre inscrições para os programas Apadrinhamento Afetivo e Família Acolhedora - Imagem: reprodução Prefeitura de Praia Grande
Praia Grande abre inscrições para os programas Apadrinhamento Afetivo e Família Acolhedora - Imagem: reprodução Prefeitura de Praia Grande

Manoela Cardozo Publicado em 12/09/2023, às 09h09 - Atualizado às 09h59


Praia Grande abre inscrições para dois programas voltados à assistência a crianças acolhidas em suas unidades locais.

De acordo com informações da Prefeitura, os programas em questão são o Apadrinhamento Afetivo e a Família Acolhedora, sendo importante ressaltar que eles não estão relacionados ao processo de adoção.

Uma reunião informativa sobre essas iniciativas está agendada para o dia 26 de setembro, às 18h, no Conviver do Bairro Tupi.

No Apadrinhamento Afetivo, as crianças das unidades de acolhimento têm a oportunidade de contar com padrinhos e madrinhas. Esse programa é uma colaboração que envolve diversos órgãos governamentais, juntamente com o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente.

Ele permite que membros da sociedade civil assumam a responsabilidade de serem padrinhos ou madrinhas de crianças e adolescentes acolhidos na nossa cidade.

O propósito do Apadrinhamento Afetivo é proporcionar experiências afetivas, tanto no âmbito familiar quanto na comunidade, às crianças e adolescentes que estão sob medida de proteção de acolhimento. Esses jovens têm situações legais bem definidas, com poucas ou nenhuma chance de serem colocados em famílias substitutas.

Para se inscrever no programa, os interessados precisam ter mais de 25 anos e residir em Praia Grande. Não é necessário ser casado.

Já o serviço de Família Acolhedora atua quando há denúncias de violação de direitos que levam à retirada de crianças e adolescentes do convívio familiar, mediante ordem do Poder Judiciário.

Embora esses jovens tenham suas necessidades atendidas em abrigos coletivos, a experiência pode se tornar mais humanizada se ocorrer através do acolhimento por uma família.

Este serviço procura indivíduos que tenham a capacidade de receber uma criança ou adolescente em sua casa por um período determinado.

Qualquer configuração familiar é bem-vinda para participar, e é importante destacar que as identidades e endereços das famílias envolvidas são mantidos em absoluto sigilo, garantindo a segurança de todos os envolvidos.

A prioridade será dada às crianças com até 7 anos de idade. Para se candidatar, os interessados devem ser maiores de 18 anos, residir na cidade, possuir uma renda estável e atender aos outros requisitos estabelecidos pelo serviço. O perfil das famílias interessadas será avaliado em entrevistas individuais.

Compartilhe