Operação Escudo

Baixada Santista: Polícia prende 58 pessoas, armas e quase 400 kg de drogas

16 pessoas foram mortas pela polícia durante operação para encontrar os suspeitos de matar PM da Rota

Em cinco dias de operação, foram apreendidas 18 armas, entre pistolas e fuzis - Imagem: reprodução redes sociais
Em cinco dias de operação, foram apreendidas 18 armas, entre pistolas e fuzis - Imagem: reprodução redes sociais

Karina Faleiros Publicado em 02/08/2023, às 13h32


Durante cinco dias de Operação Escudo na Baixada, a Polícia Militar prendeu 58 pessoas durante cinco dias, entre 28 de julho e 1 de agosto. A operação iniciou após o soldado Patrick Bastos Reis ser morto por criminosos quando fazia patrulhamento em uma comunidade em Guarujá, e a ação deixou 16 mortos em Guarujá e em Santos.

Segundo informações do g1, de acordo com a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP), do total de presos, 38 foram em flagrante e 20 eram procurados da Justiça. Outros quatro adolescentes foram apreendidos por tráfico de drogas, até esta terça-feira (1), a polícia apreendeu 385 quilos de entorpecentes e 18 armas, entre pistolas e fuzis.

A polícia conseguiu identificar e prender todos os envolvidos na morte do policial, mas a operação continua para sufocar o tráfico de drogas e desarticular o crime organizado, que possui grande atuação na Baixada Santista, de acordo com a SSP.

Reforço

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), e o secretário de segurança do estado, Guilherme Derrite, anunciaram aumento do efetivo policial e uma nova unidade em Guarujá, após a morte do PM da Rota Patrick Bastos Reis.

Segundo o governador, as ações são necessárias pois “o tráfico ocupou a Baixada Santista”.

Tarcísio cita que a Operação Escudo irá continuar na Baixada Santista por pelo o menos 30 dias, e além disso, o governador prometeu novas ações na região.

“Nós vamos levar para a Baixada Santista o aumento de efetivo, unidade da Polícia Militar. Nós devemos ter mais uma unidade da Polícia na Baixada para aumentar o efetivo e responder o anseio da Baixada”, disse Tarcísio.

Compartilhe