Inflação do aluguel é abatida

Inflação do aluguel cai 6,86% em um ano, segundo IGP-M

O índice caiu 1,93% em junho e em 2023, já recuou 4,46%. O indicador vem registrando deflação no acumulado em 12 meses, desde abril, o que não era recorrente desde fevereiro de 2018

Inflação do aluguel é abatida em junho - Imagem: Freepik
Inflação do aluguel é abatida em junho - Imagem: Freepik

Karina Faleiros Publicado em 30/06/2023, às 09h21


Em junho deste ano, o Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), popularmente conhecido como a inflação do aluguel, caiu 1,93%, segundo dados do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV-Ibre) divulgados nesta quinta-feira (29).

Depois de registrar baixa de 1,84% em maio e de 0,95% em abril, este é o terceiro mês consecutivo de deflação do indicador. Em 2023, até agora, o índice já recuou 4,46%, enquanto no acumulado em 12 meses o recuo foi bem mais expressivo, de 6,86%, atingindo o menor valor histórico, que começou em 1990.

O indicador vem registrando uma deflação na comparação ano ano, desde abril deste ano, algo que não acontecia desde fevereiro de 2018, segundo informações do g1.

Como é composto o IGP-M?

Ele é composto por três indicadores:

  • O índice de Preços ao Produtor (IPA), que responde por 60% da composição com queda de 2,73% em junho;
  • O índice de Preços ao Consumidor (IPC), com peso de 30% caindo 0,25% no mês;
  • O índice Nacional de Custo da Construção (INCC), com peso de 10%, que subiu 0,85% em junho, se mantendo como a única alta.

Deflação ao produtor é impulsionada por combustíveis e provoca queda do IGP-M

O indicador que tem mais peso dentro da composição do IGP-M apresentou também a maior deflação em junho (-2,73%).

Esse resultado foi provocado pela forte queda do subgrupo de combustíveis para o consumo, que caiu 10,56% no mês, depois de cair 1,27% em maio.

“A inflação ao produtor registrou nova deflação, agora impulsionada pela queda dos preços dos combustíveis na refinaria. O preço do Diesel encolheu 13,82%, enquanto o preço da gasolina caiu 11,69%. Afora tal contribuição, os preços de importantes commodities agropecuárias seguem em queda, como: milho (-14,85%) e bovinos (-6,55%)”, comenta André Braz, Coordenador dos índices de Preços do FGV-Ibre.

O IPC também recuou em junho (-0,25%) e a desaceleração dos preços foi disseminada por sete das oito classes de despesas que formam o índice:

  • Com deflação de 1,68%, ante avanço de 0,50% em maio, foi o resultado do grupo de Transportes, puxado pela gasolina;
  • A alimentação caiu de 0,79% em maio para -0,33% em junho deste ano;
  • Saúde e Cuidados pessoais caiu de 1,22% para 0,41%;
  • Habitação caiu de 0,75% para 0,41%;
  • Comunicação caiu de 0,91% para 0,14%;
  • Despesas Diversas caiu de 0,75% para 0,32%;
  • Vestuário caiu de 0,58% para 0,42%;
  • Educação, Leitura e Recreação foram de 2,32% em maio para uma queda menor de 0,55%, em junho.
Compartilhe